O receituário médico de blocos é uma peça gráfica que a maioria das pessoas nem imaginam a importância da sua diagramação e do design visual. Além de ser um material que provavelmente a grande maioria de nós já utilizamos, ele apresenta a identidade visual das clínicas, consultórios e hospitais.

 

O receituário médico é uma peça gráfica indispensável para os profissionais da área. É nela que médicos, dentistas e veterinários irão prescrever as indicações médicas de um tratamento que o paciente precise fazer, com diversas informações como nome do medicamento, dose e posologia.

 

Lembrando que, no Brasil, apenas médicos, médicos veterinários, cirurgiões dentistas, enfermeiros, farmacêuticos e nutricionistas credenciados podem prescrever medicamentos, porém, qualquer pessoa pode ser responsável pela criação do receituário médico.

 

Por ser um documento de valor jurídico, sobre o qual o profissional se responsabiliza por tudo que estiver indicado ali, existem cuidados na hora de encontrar uma gráfica para o seu receituário médico. No momento da criação do material, além de representar e estar em conformidade com a identidade visual do profissional ou do local de atendimento, deve seguir as diretrizes de padronização da Anvisa. É através dos diferentes tipos de receituário que se faz o controle da prescrição e compra adequada das medicações.

 

Campos obrigatórios na criação de um receituário médico

Começando pelo cabeçalho, o layout deve conter o nome e endereço do profissional ou do estabelecimento que ele trabalha (clínica ou hospital), o número do registro do profissional e o número de cadastro de pessoa física (CPF) ou jurídica (CNPJ). É possível colocar também a especialidade do profissional, se ela estiver registrada no CRM.

 

Abaixo, é necessário deixar um espaço para o preenchimento do nome e idade do paciente e endereço, quando for o caso. Na parte inferior, é comum ter um campo para a data, assinatura e o número de inscrição nos conselhos de Medicina, Veterinária ou Odontologia. O verso do documento pode ficar sem aplicações de layout.

 

O próximo ponto de atenção são as cores do papel.

 

Os 4 tipos de receituário médico em bloco por cores

 

1- Receituário médico branco simples 

É a forma mais comum do documento, utilizado para medicamentos que não necessitam de receita médica na hora da compra. Mas por terem tarja vermelha, precisam da prescrição do profissional. É utilizada uma receita simples, com apenas uma via, em papel branco.

 

2 – Receituário médico branco especial 

Para adquirir remédios de uso controlado, como antibióticos, antirretrovirais, anabolizantes e alguns imunossupressores é obrigatório apresentar a prescrição em duas vias: uma para o paciente e outra à farmácia.

 

3 – Receituário médico azul 

O receituário de cor azul é chamado de ‘notificação de receituário’. Esse documento padrão leva uma numeração controlada pela vigilância sanitária e é emitido para indicar medicamentos que podem causar dependência, como os psicotrópicos e psicotrópicos anorexígenos.

 

Esse papel deve sempre acompanhar o receituário branco, pois a parte azul fica retida na farmácia como prova de que o remédio foi entregue da maneira correta. Já a parte branca fica com o paciente, para seguir as informações de dose e posologia.

 

4 – Receituário médico amarelo 

Para medicamentos extremamente controlados, como entorpecentes e alguns psicotrópicos, o receituário é confeccionado com papel amarelo. Neste caso, todos os receituários médicos devem ser acompanhados de uma notificação de receita para análise da Anvisa.

 

Ao confeccionar a criação desse documento, é preciso que o designer se atente às informações que a notificação deve conter, calculando corretamente os espaços e campos necessários:

 

  • Sigla da unidade da federação;
  • Identificação numérica fornecida pela autoridade sanitária competente de cada estado, município e Distrito Federal;
  • Identificação do profissional que está prescrevendo, com sua inscrição no conselho regional e a sigla da respectiva unidade da federação;
  • Nome, documento de identificação, endereço completo e telefone do paciente que irá utilizar o medicamento;
  • Nome do medicamento, dosagem, forma farmacêutica, quantidade (em algarismos arábicos e por extenso) e posologia;
  • Símbolo indicativo de riscos;
  • Data de emissão;
  • Assinatura do prescritor. Caso os dados do profissional estejam devidamente impressos no campo do emitente, é preciso apenas assinar a notificação de receita;
  • Identificação do fornecedor, com nome do estabelecimento, endereço, telefone, data e nome do responsável pela entrega do medicamento;
  • Identificação da gráfica que emitiu o receituário, com nome, endereço e CNPJ em cada folha do talonário. Deve constar também a numeração do início ao fim, concedida ao profissional ou instituição, com número da autorização para confecção de talonários emitidos pela vigilância sanitária local;
  • Identificação do registro, com anotação da quantidade aviada, no verso das folhas.

Quais as melhores medidas para o bloco de receituário médico?

As medidas não possuem determinação obrigatória da Anvisa, mas o padrão geralmente utilizado é no formato A5, de 21 cm X 14,8 cm. Também existem receituários nos formatos A4 e A6, assim como em medidas bem menores, de 10 cm X 7,5 cm. Os materiais mais indicados para a criação de receituário médico são os papéis offset e reciclato, com 75 g ou 90 g.

 

É possível também personalizar o layout do receituário branco, como muitas vezes é feito em receituários de veterinários ou pediatras, para deixar o papel com um aspecto mais agradável. Os outros devem seguir a padronização da Anvisa. Mas lembre-se: sempre considere a quantidade de informações que precisam ser inseridas na zona em branco do documento, entre cabeçalho e rodapé, para que todas estejam legíveis.

 

Se você é de São Paulo e precisa imprimir o seu receituário, que tal conhecer o serviço de impressão da Gráfica Luzane? Nós podemos ajudar a tornar o seu documento mais especial. Para conhecer todos os detalhes e solicitar um orçamento, acesse aqui.